Boas novas.

O maior grupo de cinemas do Brasil, Cinemark, abre suas portas nesta segunda feira, 27/08, com preços de banana.

As salas em 2D cobram: inteira $8 e meia $3,50, e salas 3D: inteira $10 e $4,50 meia.

A promoção não será válida para salas XD. Os cinemas que fazem parte da promoção são:  Metrô Tatuapé, Boulevard Tatuapé, Shopping D, Center Norte, SP Market, Interlagos, Raposo e Mooca.

Maiores informações: http://www.cinemark.com.br
Agora, preciso postar uma coisa que eu particularmente, achei muito bacana. A Melissa (marca de calçados femininos E masculinos), inovou novamente, oferecendo um modelo exclusivo com o tema de um jogo que eu achava sem graça, mas que aos poucos foi conquistando meu coração, e é sem dúvida um sucesso mundial.

O modelo UltraGirl tras uma exclusiva Melissa Angry Birds. Eu recomendo os modelos Melissa, visto que sou usária dos confortáveis modelos Aranha e Oxford.

 

Spinelli Détachez.

Anúncios

Puxadinho nas calçadas de São Paulo.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) está implantando os “puxadinhos” nas calçadas de São Paulo para dar mais segurança aos pedestres na hora de atravessar a rua.

É uma pintura azul no asfalto cercada por cones fixos. Eles servem para impedir que o motorista faça uma curva muito fechada e atropele o pedestre. Quem desrespeitar a nova área pode levar multa de R$ 574 e sete pontos na carteira de habilitação.

 

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/08/cet-implanta-puxadinhos-para-aumentar-seguranca-de-pedestres.html

 

Spinelli Détachez

Fim de semana de rock em SP.

Eu vim atualizar apenas com um e-mail que recebi do Adriano Pacianotto, pois recomendo os eventos que irão rolar este fim de semana em São Paulo.

A banda do Rodrigo Oliveira, a Inside Shout vai se apresentar neste sábado, na Penha.

 

O Grande Ogro se apresenta gratuitamente no Baixo Augusta, também este sábado.

 

E rola uma Festa à fantasia na República, você pode ir ou não, fantasiado do seu ídolo do rock.

 

Spinelli Détachez.

Novidades na Coluna de Música.

É com muito prazer e orgulho que venho atualizar o blog, neste dia 02 de Agosto, seguindo rumo à um ano e meio de São Paulo Não Quer Ser Cinza, para informar que, o meu grande amigo Caio ( @caio_io ), me fez uma carícia e me deu de presente uma entrevista com uma banda conhecida por ele, (como eu costumo dizer, ele é a pessoa que mais conhece bandas neste mundo!), e que ele deseja divulgar, assim como a ideia inicial do blog.

Sem mais delongas, informo que o Caio vai resenhar sobre música, e eu tenho orgulho de postar a primeira entrevista que ele fez com a banda Stereomotive. ♥

Stereomotive, por Caio.

Hoje não venho aqui somente como entrevistador, mas venho como fã, isso mesmo fã e digamos assim “amigo” do pessoal desta banda que eu gosto tanto. Hoje eu vou bater um papo com o José Cláudio ou simplesmente Zé, baterista do Stereomotive. Uma banda de hardcore anos 90, formada em meados de 2003 em Suzano, um Município no interior de São Paulo. Quatro amigos com gostos muito parecidos resolveram montar uma banda… “O Stereomotive“.

Bom Zé, eu te conheço e não é de hoje então vou te chamar de Zé mesmo ok?

Primeiramente Zé como eu já havia comentado com você algumas vezes via Facebook, o novo cd do Stereomotive, intitulado “Óbvio e Clichê”, lançado no dia 20/07/2012 via http://tramavirtual.uol.com.br/musica/playlist/dynamic/disco/62848 para audição e via www.bandcamp.com para download naquele esquema “pague o que quiser”, na minha humilde opinião de fã da banda e seu amigo, ficou simplesmente muito bom.

Nas gravações do cd o que vocês esperavam e depois do lançamento com a “explosão” de posts no Facebook sobre o cd, o que você tem a dizer sobre isso?

As gravações foram intensas, o Fernando Sanches (O Inimigo, Againe) esteve conosco desde a pré-produção, inclusive no dia em que ele anunciou oficialmente a saída do CPM22, ele foi assistir pacientemente um ensaio nosso em SP, foi memorável pra gente, esse cara é diferenciado e tivemos novamente a honra de trabalharmos com ele. No estúdio El Rocha,  abusamos das combinações, diversos amplificadores testados em busca do timbre perfeito, gostamos muito do resultado. Sinceramente, assustamos com a quantidade de audições no Trama Virtual, incrível!

O sucessor do “Prelúdio a uma nova concepção à estética”, “Óbvio e Clichê,” qual seria a grande diferença entre os dois cd’s?

Poderíamos dizer que “Óbvio e Clichê” seja o nosso “Interlúdio”, a continuação de canções, ideias, inquietações que carregamos durante todos esses anos de banda. Nele pode se encontrar toda historia do Stereomotive, musicas da nossa demo reformulada, musicas que nao entraram no EP de 2005. E outra coisa, fizemos o oposto do que esta acontecendo agora, lançamos um cd cheio, ao invés de uns quatro EP’s com cinco ou seis musicas, pois ainda temos muitas coisas que tivemos que cortar na gravação desse cd.

Muita das vezes você mesmo diz que o Stereomotive é simplesmente diversão de quatro amigos, que tem gostos parecidos e que juntos fazem um bom som. Nunca tiveram nenhuma pretensão de lucrar como banda. Isso é verdade mesmo? É mero clichê ou como diz o Lucas Silva e Silva “Tudo pode acontecer”?

Cada um tem a sua profissão, e o Stereomotive sempre foi a nossa diversão, é como um futebol de final de semana e cerveja com os amigos, saca? Creio que individualmente ninguém é virtuoso, ninguém é estudado musicalmente, mas desde pivete tivemos boas influências. Sobre ser sustentado pela música, posso lhe afirmar que embarcaria com muito gosto!

Vocês têm a banda desde 2003, em algum momento vocês pensaram em desistir do Stereomotive?

NUNCA! Eu não vivo sem essa garotada. São amigos de longa data, e essa amizade mantém essa jovem-velha banda unida além dos anos e modismos.  Fica a dica para a molecada de hoje em dia: “Você é amigo dos integrantes da sua banda?” Se a resposta for NÃO, desista. Essa jornada depende desse respeito que só a amizade proporciona.

Quais são os próximos passos, agora com o lançamento do novo cd? Terá show de lançamento do cd prevista?

Pô Caio, não vejo a hora de tocar! Lembro de shows memoráveis feitos em Mogi e região, desde o Camelot, Lounge Beer, enfim, vários festivais, isso dá uma saudade, sabia?! O show de lançamento vai rolar sim, iniciaremos o planejamento em breve! A ideia é contarmos com uma “reunion” da banda dos nossos amigos do Naguilê, cogitamos também convidarmos O Inimigo, enfim, vamos ver o que será possível fazer.

Quantos cds vocês tem gravados? E qual é a principal marca do Stereomotive?

Em 2003, no primeiro ano da banda gravamos a demo “Último trem para a cidade das desilusões”, depois o EP “Prelúdio a uma nova concepção aestética” e agora “Óbvio e Clichê”. Diria que somos quatro mentes e incontáveis visões sobre essa contraditória arte de se organizar acordes sobre a velha ou a nova fórmula. Todos os questionamentos remeteram ao novo, à tentativa de ser novo, mas: o que é novo? Risos.

Eu como fã, já fui a alguns shows de vocês e vi que vocês gostam de tocar Cap’n Jazz, Braid entre outras bandas. Essas bandas seriam influências para o Stereomotive? Quais seriam as principais influências do Stereomotive?

Admiramos demais o trabalho dessa rapaziada de Chicago, influências presentes em nosso som. Sem soar clichê, confesso que é difícil dizer quais são as principais influências, eu mesmo curto demais o HWM, ainda ouço Lagwagon, Lifetime, NOFX e por aí vai. Digamos que essa mistura sempre esteve e sempre estará presente em nossos trabalhos. Ano que vem completaremos 10 anos de banda, estou realmente velho… Risos.

Toda banda tem sonho de tocar com alguma banda predileta ou coisa que o valha. Vocês tem o sonho de tocar com alguma banda?

Com certeza! Tim Kinsella e Ronaldo, seria um encontro interessante, concorda? Quem sabe com o Bob Nanna, Chuck Ragan, Nikola Sarcevic? Risos.
De onde vocês tiraram o nome Stereomotive?

Trata-se de uma máquina fotográfica com duas objetivas, a ideia é observar um mesmo motivo com duas predisposições bem distintas, na tentativa de não rotular logo de cara o que aparece em nossa frente.

Vocês já têm músicas novas ou músicas que sobraram do processo de gravação do Óbvio e Clichê e já estão pensando em um novo cd?

Eu fico assustado com a criatividade que exala nos ensaios, temos várias novas canções e confesso que já estou com vontade de voltar a gravar, risos! Mas agora é hora de divulgar esse nosso trabalho, “Óbvio e Clichê” é a nossa musa atualmente e o foco está na promoção desse álbum! Mas temos umas 10 musicas que não entraram nesse cd!! Vamos ver o que pode acontecer nos proximos meses.
Após uma semana do lançamento do Óbvio e Clichê, estava verificando o www.tramavirtual.uol.com.br e lá eles possuem o TOP 40 e vi que as 12 músicas do cd estão entre às 15 primeiras, sendo “Eu sei mentir” a primeira no Ranking. O que você tem a me dizer a respeito disso? Como foi a reação de você e dos outros integrantes quando viram todas as músicas do cd ocupando os 15º primeiros lugares?

Assustador! Risos…

José Cláudio muito obrigado pelo papo. Boa sorte ai para o Stereomotive. Mande um abraço para o pessoal da banda e agendem shows logo por favor, seus fãs clamam por isso. Foi um prazer. Deixe uma mensagem para os leitores do blog.

Continuem ouvindo, ajudem-nos a promover esse álbum.

Valeu Caio!!!!

Spinelli Détachez.