Agita SP – Copa Trifon Ivanov.

Por Bruno Rodrigues 

Você já ouviu falar da Copa Trifon Ivanov? Se você tem um twitter, é muito provável que você já tenha lido alguma postagem sobre esse torneio.

A copa, que é disputada em duas edições anuais, surgiu inspirada na ImpedCopa, que é um campeonato criado pelo site gaúcho Impedimento, onde leitores e editores do site disputam, entre goles de cerveja e mordidas em carne, um torneio descontraído, onde ninguém é craque, e o clima de amizade reina no local.

A Copa Trifon Ivanov foi criada pelos jornalistas Felipe Portes, dono do site Total Football, Leonardo Rossatto e Emanuel Colombari, com base na ImpedCopa. Portes convocou pelo twitter, amigos e leitores para uma tarde regada a churrasco e futebol. O nome do torneio homenageia o ex-zagueiro búlgaro, considerado um ícone do futebol alternativo. Assim, no dia 5 de outubro de 2013, a I Copa Trifon Ivanov foi realizada, na unidade Pompéia do Playball. Contando com a presença ilustre de MÁRCIO CANUTO (Cachorro?), o torneio foi um sucesso. O Rad Ourinhograd, do capitão Felipe Portes (Sim, o chefe venceu) foi campeão com todos os méritos. Meu time, o Neuchatel Chavantes, parou nas semifinais, perdendo para o time campeão.

Na segunda edição, abriu-se espaço para as moças também demonstrarem suas habilidades com a bola nos pés, na Taça Kátia Cilene, além de adicionar mais times no torneio masculino, para que mais amigos pudessem participar. No dia 8 de fevereiro, a segunda edição do certame reuniu, pelo menos, o dobro de envolvidos, entre jogadores e torcedores corneteiros. Eu havia rompido um ligamento do joelho, e assumi meu lugar na torcida Cornetão Chopp, do grande amigo Fabio Fleury. Após um dia de calor incessante e algumas cenas lamentáveis, sagraram-se campeões o Raja Casaverde (Série A), o Moocabi Haifa (Série B) e o Olympique de Marsilac (Taça Kátia Cilene). Ah, e teve até matéria no Globo Esporte (Um beijo, Tiago Leifert).

A terceira edição ocorreu neste sábado, dia 27/09. O Playball estava lotado para acompanhar mais uma edição deste torneio. Eu, ainda em recuperação da cirurgia no joelho, preferi ajudar no apito. E apesar de alguns erros e cornetadas vindas de dentro e fora da quadra, tudo correu bem. Ao fim do dia, depois da tradicional guerra do Team Bolacha contra o Team Biscoito, funk carioca rolando solto e zoeiras de todos os tipos, a festa acabou com a alegria do Ourinhense Petrolero (Série A), do Baurussia Dortmund (Série B) e do Salvadortmund (Taça Kátia Cilene). O resumo desta ópera você pode conferir aqui.

Gostaria de agradecer individualmente cada uma das arrobas que me trataram (como sempre) muito bem e fizeram o dia ser memorável, mas o texto ficaria longo demais. Então, um grande abraço em cada um. Mas gostaria de fazer um agradecimento especial a Felipe Portes. Grande cara, grande caráter, que juntamente com os demais capitães e capitãs se esforçou demais para fazer tudo isso acontecer. É um dos principais responsáveis para levarmos a bagunça da internet para o mundo real, e conhecermos pessoas maravilhosas. Grande abraço, meu caro.

 

Tradicional foto de encerramento do torneio. Eu sou um ponto azul celeste, entre uma camisa do Palmeiras e uma blusa do Flamengo, no canto direito da foto. Foto: Marie Lucci Visani.

Um grande abraço de quem acha que o certo é BOLACHA, não BISCOITO.

@brodri_

Texto: Bruno Rodrigues.

Ressaca – O Mercado de Notícias.

Por @Detachez

Está em cartaz de 25/SET à 01/OUT, o documentário O Mercado de Notícias, no Espaço Itaú de Cinema, na Rua Augusta em São Paulo.

Basicamente o documentário fala sobre mídia e democracia, com depoimentos de jornalistas brasileiros e trechos da peça “O Mercado de Notícias”, escrita pelo inglês Ben Jonson em 1625, quando do surgimento do jornalismo.

Vale muito a pena e os ingressos estão muito acessíveis.

SERVIÇOS

Acesse AQUI para comprar os ingressos.

Espaço Itaú de Cinema.
Endereço: R. Augusta 1470 Cerqueira César – São Paulo.
Dúvidas? Acesse AQUI.
Clique AQUI para ver o trailer do documentário.
Clique AQUI para informações do evento no site do Itaú Cinemas.

Texto: Fernanda Saraiva
Foto:

Agita SP – Estreia.

Por Bruno Rodrigues Yago Rudá.

Olá, leitores. A partir de hoje, semanalmente teremos uma coluna de esportes aqui no SPNQSC.Começaremos falando da seleção brasileira de vôlei masculino.

O Brasil bem que tentou, mas não conseguiu o tetra campeonato do Mundial de Vôlei masculino. A anfitriã Polônia conquistou seu segundo título, após quarenta anos de jejum. O time europeu até perdeu o primeiro set por 25 a 18, mas venceu os sets seguintes, fechando a partida em 3 sets a 1  (18-25, 25-22, 25-23 e 25-22).

Os 12 mil torcedores presentes no ginásio fizeram a festa com a vitória da seleção local, que impediu o feito inédito da seleção brasileira, que havia vencido os 3 últimos mundiais, em 2002, 2006 e 2010 e buscava o tetracampeonato consecutivo, algo que somente a Itália (90, 94 e 98) chegou próxima de conquistar.

Com a derrota, restou a equipe brasileira se contentar com o vice, após uma bela campanha.

E ainda que o time de Bernardinho tenha ficado com o vice-campeonato, há muito o que comemorar. Desde o começo do século, a seleção masculina de vôlei é a maior vencedora de torneios internacionais, tendo levantado mais de 10 canecos pelo mundo afora.

Além das conquistas, o Brasil revelou, pelo menos, duas gerações campeãs do mundo. Entre eles, estão Giba, Nalbert, Rodrigão, Ricardinho, o paulistano Serginho e muitos outros. Agora, a bola da vez no voleibol nacional é a turma liderada por Bruninho, Lucão, Lucarelli e Vissotto.

BRASILEIRÃO

Neste final de semana, tivemos também a 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. A rodada foi recheada de clássicos estaduais. O líder Cruzeiro finalmente tropeçou, e perdeu para o rival Atlético-MG por 3×2, num jogo eletrizante, decidido no finalzinho.

Na Bahia, o Vitória derrotou o rival Bahia por 2×1, e ganhou um fôlego na luta contra o rebaixamento.
No RJ, o Fla-Flu terminou empatado em 1×1. O Flamengo ainda saiu na frente, mas permitiu o empate do Fluminense na segunda etapa.Na nossa querida São Paulo também teve jogão. O Corinthians venceu o São Paulo de virada, pelo placar de 3×2. O clássico teve muita discussão, devido a dois pênaltis marcados para o Corinthians, que gerou muita reclamação por parte dos São paulinos. Cada um dos times ainda teve um jogador expulso.

Fábio Santos pelo lado alvinegro, e o uruguaio Alvaro Pereira pelo lado tricolor.O Santos venceu bem o Figueirense por 3×1, na Vila Belmiro, e freou a recuperação do time catarinense.

O destaque negativo fica por conta do Palmeiras. O time perdeu mais uma, desta vez para o Goiás, pelo humilhante placar de 6×0, e segue na lanterna do campeonato. O que ainda pode servir de consolo para o torcedor alviverde é que a distância para os times fora da zona do descenso ainda é pequena.

Até a próxima semana.

Bruno Rodrigues e Yago Rudá.

Rapidinhas – O que faz você feliz?

Por @Detachez

Certas perguntas não tem resposta. Por exemplo, o caso de Capitu e Bentinho em Dom Casmurro. Afinal, Capitu traiu ou não traiu? Nunca saberemos, afinal, o grande Machado morreu levando esse segredo com ele.

Outra questão clássica é: o que tinha na maleta de Pulp Fiction? Quentin Tarantino jamais respondeu e creio eu que jamais responderá. Fica apenas a especulação. Mas é de especulação que se vive a vida? Creio que sim…

Ultimamente tenho me perguntado sobre isso, como por exemplo, a série Dexter, esta que farei um profundo estudo sobre, com seu final triste e intenso. Ficou a pergunta: o que Dexter faria depois de ter sobrevivido à tempestade e ter deixado o pequeno Harisson com Hannah, o amor de sua vida? Não sei, nunca saberei. Mas especulo.

Texto: Fernanda Saraiva.
Foto: Google.

 

Ressaca – Machado de Assis

Por @Detachez

Machado de Assis foi um grande escritor da literatura brasileira que trouxe consigo uma forma única de escrita que perdura até hoje. No vídeo vemos uma técnica que, até então, não era considerada como técnica e com o passar dos anos, tornou-se uma forma de crítica, sem parecer ofensiva, mesmo falando sobre assuntos polêmicos.

A crônica, que vem da palavra grega “chronos”, significa tempo, é uma narrativa história que expõe fatos em ordem cronológica. Hoje em dia, é muito usada em revistas e jornais impressos, escrita de forma curta e geralmente na mesma sessão, pelo mesmo autor, relatando assuntos cotidianos.

O vídeo em questão nos mostra como a crônica ganhou espaço, a partir da literatura, vinda inicialmente por Machado, ganhando conotação jornalística, humorística, histórica e muito mais. Geralmente marcada pelo uso da palavra “crônica”, os textos que relatam em ordem cronológica algum acontecimento são de fácil leitura, pela facilidade da ordem dos fatos.

No vídeo vemos como Machado tornou-se uma referência absoluta na questão do uso da crônica e como os autores brasileiros que o seguiram o fizeram de forma a quebrar o tabu do uso dela, como gênero literário e jornalístico. A origem deste gênero veio da França, mas se consolidou aqui no Brasil de forma bem receptiva.

Ana Miranda, escritora que aparece no vídeo, fala sobre a diagramação do formato do jornal, com muito texto e poucas imagens, onde aos domingos, o “folhetinista” escrevia algo comentando sobre os acontecimentos da semana. Após José de Alencar e Machado de Assis, o gênero “crônico” tornou-se forte ao longo dos anos, mostrando a força do uso da crônica, tanto que, começou a se estudar sobre, a formar uma pessoa para escrever daquela forma, chamando-o posteriormente de “cronista” e escrevendo livros sobre o tema.

Davi Arrigucci Jr, crítico literário comenta o fato de Machado ter tino para escrever sobre o cotidiano de forma a “tirar os valores morais dos acontecimentos insípidos”, sem nenhum tipo de atrativo, fazendo com que os fatos em geral pareçam realmente um acontecimento histórico, mesmo que seja o simples fechar de uma porta. Arriguci ainda cita a crônica como uma forma incrível de registrar o cotidiano brasileiro, o dia a dia das pessoas como um método de deixar marcado de forma única, não só jornalisticamente falando, mas pondo em evidência a literatura que o cotidiano pode proporcionar.

“Os cronistas modernos bebem e comem Machado de Assis”, foi o que disse Zuenir Ventura, escritor, exatamente pela versatilidade da referência de Machado na questão de começar a utilizar esse gênero. E apesar de falar que a crônica não pode ser solene, ele incita a ideia de sentimento, porque as pessoas tendem a expressar o que sentem quando relatam algo sobre o dia a dia, por exemplo. Moacyr Scliar, escrito, também comenta o uso da crônica, ressaltando a importância da narração dos fatos que, mesmo que não tenham importância factual, tem alguma importância emocional, fazendo valer a pena seu uso.

A professora de literatura da Universidade de São Paulo (USP), Salete Almeida Cara, fala sobre a crônica citando algo parecido com Scliar, onde ela cita a importância do registro cotidiano e da facilidade do uso deste gênero para descrever e registrar algum momento.

O jornalista Daniel Piza já comenta a importância da ligação entre o uso literário da crônica adotado por Machado e como isso impacta diretamente no jornalismo, deixando claro que um dialoga intensamente com o outro. Fica claro como a importância do entendimento da crônica leva com que os outros gêneros tenham fácil entendimento, pois a possibilidade de falar sobre a realidade de forma que, o cotidiano não pareça simplesmente um acontecimento comum atinge diretamente o leitor e o escritor, no conjunto da obra, no sentido de emissor, mensagem e receptor.

John Gledosn, crítico literário, reforça a ideia da liberdade do poder de escrita de Machado, fazendo mais uma vez a alusão à importância do fato de registro que a crônica tem por si só.

Outro ponto importante deste vídeo é o uso da crônica para registrar a evolução tecnológica a partir da narrativa sobre o surgimento de carros e bondes elétricos. Como isso afeta diretamente o ser humano em seu cotidiano, em seu dia a dia, todos os dias, sem exceção. Além de comentarem sobre o método usado por Machado para falar dos assuntos polêmicos de forma leve, e dos assuntos sem importância significativa de forma grave, formando dentro da crônica gêneros únicos, como citei anteriormente, a crônica humorística.

A referência é um fator decisivo dentro de qualquer escritor, pois faz com que, ao passar dos anos, aquilo que se aprendeu não se perca. Claro que, a diferença é a forma única de cada um escrever, visto que, antes de Machado, outros foram estudados, e através deles, foi se criando o gênero que marcou a forma de escrita de Machado. Até que se tornasse um gênero único, Machado passou por muito estudo e desenvolvimento, para que, no final da jornada, pudesse mostrar como se tornou o mestre da crônica literária, que abriu um leque de novas possibilidades, podendo ser usada também no jornalismo.

A crônica não é usada somente para falar do cotidiano que envolve fatos de pequena importância. Podemos utiliza-la para relatar assuntos políticos, tanto de forma simples ou fortemente crítica, quanto de forma humorística e sarcástica, o que no vídeo nos faz lembrar sempre a ligação literária ao jornalismo, ligando mais uma vez o fato de que, registrar os acontecimentos de forma poética, por assim dizer, para manter viva a necessidade jornalística na vida do ser humano.

Todos os participantes do vídeo se juntam ao final para falar sobre Machado de Assis e sua genialidade, em meio à sua própria solidão, sabedoria e principalmente, capacidade de usar a escrita para expor, como citei por várias vezes, a importância de registro dos acontecimentos na vida do homem, que, assim como citado no vídeo, passou para nossa geração o questionamento eterno sobre a evolução e atualidade de acontecimentos antigos, que perduram até hoje.

Texto: Fernanda Saraiva.
Acesse AQUI para ver o vídeo comentado.

Rapidinhas – Mafalda!

Por @Detachez

São Paulo receberá em dezembro uma exposição comemorativa para os 50 anos de Mafalda. Criada por Quino em 1964, Mafalda é uma garotinha de 6 anos, que, apesar da pouca idade, tem uma visão humanista da vida e questiona diversos valores impostos pela sociedade. Mesmo depois de 50 anos, a personagem possui uma legião de fãs por todo o mundo e serve como referência para reflexões atemporais, que se encaixam tanto para a época em que foi criada até os dias de hoje.

Ainda não há maiores informações, mas fica a dica de que, logo, saberemos tudo sobre a expo.

Texto: Fernanda Saraiva.
Fonte: Catraca Livre!
Foto: Google.

Coluna de Música – Shows Fim de Semana.

Por @Detachez

São Paulo está recheada de shows para o final de semana, e eu separei algumas dicas para amanhã. Em cima da hora, mas vale a pena conferir, quem estiver por perto, é claro.,

São Carlos recebe a banda Angra no Bazuah São Carlos às 17h. Confiram!

 

 

O cantor e compositor Silva apresenta faz o show Vista Pro Mar no Auditório Ibirapuera, na noite do sábado.

  • Auditório Ibirapuera

Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3 – Ibirapuera. Tel.: (11) 3629-1075

 

 

Michael Bublé se apresenta depois do show de hoje!

  • Ginásio do Ibirapuera

R. Manuel da Nóbrega, 1361, Ibirapuera. Tel.: (11) 3887-3500

 

Texto: Fernanda Saraiva
Fotos: Google.