Ressaca – Paixões

Por @Detachez

Não é segredo para ninguém minha paixão pela cidade de São Paulo. Logo, resolvi escrever sobre um lugar que conta e faz parte daminha história. Um lugar onde todo mundo que não conhece SP quando vem, tem que ver de perto. Uma rua simples, que tem seu alto e seu baixo, um amor em pessoa, uma mulher forte, que sobreviveu durante o tempo, e que se tornou um exemplo na cidade toda, Rua Augusta.

Suas primeiras aparições na história de São Paulo datam de 1875, com o nome de Rua Maria Augusta, e em 1897 já como Rua Augusta. A rua fazia parte das terras de Manuel Antonio Vieira, que abriu várias ruas na Bela Cintra, incluindo a rua da Real Grandeza, que é, nada mais nada menos que a Avenida Paulista.

Na década de 1960 a Rua Augusta era o centro de diversão dos jovens paulistas/paulistanos. A rua cheia de casas noturnas e bares, fazia a cabeça daquela juventude bem diferente da nossa, que preocupava-se com os estudos, além de pensar em só encher a cara. A Augusta era diferente, tinha um ar de glamour e diversão. Na década de 1970 a Rua Augusta foi perdendo seu brilho, a cidade já começava a “sofrer” com os carros e o tráfego naquela região, logo depois vieram os shopping centers e em torno da rua foram criados muitos prostíbulos.

Augusta pós 1984.

Somente em 1993 a rua se modernizou, com a inauguração do Espaço Unibanco, cinema que até hoje recebe filmes em suas salas a preços promocionais, com o nome de Espaço Itaú Cinema. Em 2000, a Augusta voltou a ser o centro de diversão dos jovens, com a abertura de bares e casas noturnas, como por exemplo, o Vegas Club; o Comedy Club Comedians, primeiro clube de comédias do Brasil, entre outros. Permanecendo ao redor muitos bares e os antigos prostíbulos dos anos 70.

Ainda hoje a Augusta vem sofrendo mudanças em sua estrutura, um dos bares mais conhecidos, inclusive já comentei sobre ele por aqui, é o Bar do Kaká. Antigamente ficava ao lado do Inferno Club, na altura no n° 501, mas teve de ser retirado para a construção, ou ampliação não sei a certo, de um prédio residencial, mudando para o outro lado da rua, agora ao lado do Club Outs. Os frequentadores deram graças por ao menos não terem fechado o bar.

Muitas pessoas passam por lá todos os dias, a Rua Augusta é conhecida por estar sempre com as portas abertas, não somente no fim de semana. Sendo assim, fica meu convite, quem quiser ir me avise porque eu estou precisando dar uma volta por lá novamente.

Augusta na atualidade

Augusta na atualidade

Texto: Fernanda Saraiva.
Fotos: Google.

Arte em Sampa – SESI.

Por @umaAmyy

Olá leitores, a Galeria de Arte do SESI-SP, no Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso, apresenta até 19 de Janeiro de 2014 a exposição “Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana” com curadoria de  Cándida Fernández, traz ao Brasil, até então, a primeira e maior exposição artística que mostra o legado de criação artesanal Ibero-Americana evidenciando raízes e tradições comuns entre si.

Há uma grande diversidade vinda de um passado indígena, mestiço, crioulo e ibérico, tendo elas origens da  América Latina, Espanha e Portugal.

São 1.300 obras de arte que reúnem mais de 2.300 peças de cerca de 600 artistas. Dentre os 600 artistas, 79 deles são de diferentes regiões do Brasil.

A exposição que já passou pelo México, Espanha e Colômbia nos proporciona diferentes matérias-primas e técnicas reunidas em blocos como cerâmica, trabalho em madeira, papel, tecidos, fibras vegetais, joalheria entre outras manifestações culturais.

Não foi localizado crédito para esta foto.

Não foi localizado crédito para esta foto.

Endereço: Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso
Galeria de Arte do SESI-SP

Av. Paulista, 1.313, em frente à estação Trianon-Masp do Metrô.

Período de exposição: Até 19 de Janeiro de 2014, diariamente, das 10h ás 20h com entrada permitida até ás 19h40.

Valor: Gratuito.

Mais informações: 3146 7406 / 7405 ou http://www.sesisp.org.br/cultura/

Texto produzido por Mayara Moreno.

Revisão: Spinelli Détachez.

A Terra Vista do Céu.

Por @umaAmyy

Hey Hey Hey leitores, essa é minha primeira postagem como colunista da “Arte em Sampa”. Vou tentar trazer para vocês os mais diversos lugares, exposições e etc para vocês poderem visitar quando estiverem naqueles dias sem saber o que fazer, espero que gostem.

Eu, como uma admiradora de fotógrafos e suas artes, não poderia começar de outra forma que não seja com algo voltado a essa área. Esses dias estava na Av. Paulista e oque me chamou muita atenção foi a exposição que está disponível ao publico no Museu de Arte de São Paulo (Masp) e no contorno do Parque Trianon.

“A Terra Vista do Céu” é um projeto do fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand. O acervo reúne 130 fotos tiradas em um período de 21 anos pelo fotógrafo sobrevoando os lugares com helicópteros e balões.

A exposição que já passou por vários lugares do mundo e veio ao Brasil no meio deste ano (2013) e já passado pelo Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e tendo final em São Paulo. O projeto teve inicio durante a Conferência das Nações Unidas em prol ao meio ambiente a ao desenvolvimento que aconteceu aqui no Brasil em 1992, sendo conhecida como a “Eco 92”.

O objetivo é mostrar a beleza do mundo que as pessoas acabam esquecendo e substituindo por gigantes de cimento e ferro cada vez maiores que tiram a beleza do dia-a-dia com seu cinza. Muitas fotos na exposição mostra a fragilidade de muitos lugares pelo mundo a fora e consequentemente nos faz refletir sobre oque vale mais a pena: a rica diversidade natural do mundo ou uma destruição sem limites.

Mapa Mundi de 200m².

Mapa Mundi de 200m².

Também esta aberta ao publico um mapa mundi de 200m² em que os visitantes tem possibilidade de interagir identificando os pontos geográficos vistos nas fotografias e também caminhar sobre o mesmo obtendo a sensação de estar com o mundo aos seus pés.

A exposição teve inicio, em São Paulo, no dia 15 de outubro e será finalizada em 15 de dezembro de 2013.

É totalmente gratuita e tem possibilidade de ser visitada a qualquer hora do dia ou noite até a meia noite.

Para saber mais sobre a história de criação da obra e horários para visitas escolares e com monitores da uma olhadinha no site: http://terravistadoceu.com/sobre-a-exposicao/.

Texto produzido por Mayara Moreno.

Edição: Spinelli Détachez.

Fotos: Ricardo Alencar.

Mônica Parade!

Coluna Rapidinhas!

Para homenagear a personagem mais famosa de Maurício de Souza, São Paulo recebe pelas ruas da cidade 50 esculturas da Turma da Mônica.

Eu já tive o prazer de ver a própria Mônica na esquina da Avenida Paulista com a Rua da Consolação, e olha, fiquei emocionada ao ver uma boneca tão grande ali no meio da cidade que não quer ser cinza.

Vale a pena conferir as imagens que estarão pelas ruas da cidade até 08 de dezembro. As esculturas foram customizadas por Maurício de Souza e mais 49 artistas, dentre eles Anita Kaufmann, Crânio, Cris Campana, Danilo Beyruth, Erica Mizutani, Fernanda Guedes, Paulo Sayeg, Renato Guedes e Zé Márcio.

Mônica Parade!

Mônica Parade!

Segue locais onde elas podem ser vistas:

1) Avenida Paulista, 2277, Cerqueira César – esquina com Rua Haddock Lobo
2) Avenida Paulista, 2073, Cerqueira César – em frente Conjunto Nacional
3) Avenida Paulista, 1500, Cerqueira César –  em frente ao Masp
4) Avenida Paulista, 901, Cerqueira César – em frente à Fnac
5) Avenida Paulista, 1294 Cerqueira César  – Metrô Trianon-Masp
6) Alameda Lorena, 1731, Jardins – em frente à Livraria da Vila
7) Alameda Jau, 1946, Jardins – esquina com a Rua da Consolação
8) Rua Estados Unidos, 1595, Jardins – esquina com Rua Haddock Lobo
9) Avenida Europa, 728, Jardim Europa
10) Rua Gumercindo Saraiva, 114, Jardim Europa – em frente ao Girarrosto
11) Rua Amauri, Itaim Bibi – em frente à Praça Amauri
12) Avenida Pedroso de Moraes, 988, Pinheiros – em frente à Fnac
13) Avenida Faria Lima, 2355, Jardim Paulistano – em frente ao Shopping Iguatemi
14) Avenida Faria Lima, 1461, Jardim Paulistano – esquina com Avenida Rebouças
15) Praça Pereira Coutinho, 80, Moema
16) Praça Benedito Calixto, 18, Pinheiros
17) Praça Vila Boim, 44, Higienópolis
18) Rua Bandeira Paulista, 636, Itaim Bibi
19) Rua Fontoura Xavier, 999, Itaquera
20) Praça Sampaio Vidal, sem número,  Vila Formosa
21) Avenida Furtado de Mendonça, 348, São Mateus
22) Praça Silvio Romero, sem número, Tatuapé
23) Avenida Cardeal Mota, 84, Pirituba, Parque Cidade de Toronto
24) Avenida Cruzeiro do Sul, 1800, Santana
25) Praça Santo Eduardo, 33, Vila Maria
26) Avenida Dona Helena Pereira de Moraes, 200, Campo Limpo – entrada do parque Parque Burle Marx
27) Avenida Pedro Alvares Cabral, sem número – Parque do Ibirapuera, portão 5
28) Avenida Nazaré, sem número, Ipiranga – Parque da Independência
29) Rua Pires de Oliveira, 356, Granja Julieta
30) Avenida Engenheiro Oscar Americano, 480, Morumbi, Parque Alfredo Volpi
31) Avenida Embaixador Macedo Soares, 8.000, Lapa – entrada do Parque Villa-Lobos
32) Avenida Henrique Chamma, 420, Pinheiro – Parque do Povo
33) Rua General Jardim, 485, Santa Cecilia – em frente à Biblioteca Monteiro Lobato
34) Avenida Manuel Alves Soares, 1100, Cidade Dutra
35) Avenida Doutor Antônio Maria Laet, 100, Tucuruvi
36) Avenida Luís Imparato, 564, Cangaiba
37) Avenida Sapobemba, 8135, Sapopemba
38) Rua Peixoto Gomide, 949, Jardim Paulista- Parque Trianon
39) Avenida Afonso de Sampaio e Souza, 951, Itaquera – Parque do Carmo
40) Rua Pedro Jose de Lima, sem número, Anhanguera – em frente CEU Anhanguera
41) Avenida Angélica, 1500, Higienópolis – Parque Buenos Aires
42) Avenida Marechal Tito, 3400, Itaim Paulista – em frente CEU Curuçá
43) Rua Capachos, sem número, Jardim Célia – em  frente CEU Três Pontes
44) Avenida Bosque da Saúde, 1960, Saúde
45) Largo do Rosário, 59, Penha
46) Rua Muniz de Sousa, 1119, Aclimação – Parque da Aclimação
47) Rua Barão Barroso do Amazonas, sem número, Cohab Inácio Monteiro – em frente ao CEU Inácio Monteiro
48) Praça Manuel da Costa Negreiros, sem número, Imirim
49) Largo Oliveira Viana, sem número, Freguesia do Ó
50) Oscar Freire (esta escultura foi roubada)

Texto produzido por Spinelli Détachez.

Foto: Divulgação.

Fonte: Veja São Paulo.

Leitores Recomendam.

Meus amados, bom dia/tarde ou noite para quem estiver lendo essa publicação. Vim aqui para recomendar um dos lugares que eu curto muito em São Paulo, e quem sabe nos “por acasos” da vida a gente não se encontre por lá.

É um barzinho localizado na R. Augusta, a rua mais bombada e badalada de São Paulo, e barzinho por barzinho, este tem um tom especial. Fica ao lado de uma das maiores casas de shows da cidade, o Inferno. E em frente, fica o Club Outs. Localizado no baixo da Augusta, o Bar do Kaka é um ótimo lugar para quem quer ouvir música boa, e encontrar os zamigos bonitos e gente linda pela cidade de São Paulo.

Bar do Kaka

Bar do Kaka

A bebida não é lá essas coisas em questão de preço, por estar localizado numa das ruas mais movimentadas da cidade, o preço acaba sendo bem diferente do valor que pagamos na vila perto de casa, mas venhamos e convenhamos, São Paulo é uma cidade cara, valendo a pena pagar um pouco mais caro na breja e ter a noite garantida.

O local é bem pequeno, o que facilita o contato interpessoal, e quem conseguir um lugarzinho no balcão garante a bebida da galera sem muitos transtornos. É bom chegar cedo, principalmente se a ideia for aquecer antes de entrar em uma das casas de shows da localidade. Vale a pena esquentar lá antes da balada.

Infelizmente, não consegui nenhuma foto do local para mostrar para vocês, o que vai deixar aguçado a curiosidade. Não vale trapacear e colocar no Google Maps, a não ser que queira ter uma noção de como faz para chegar ao local. Então visitem e digam ao Kaka que a recomendação foi minha. Beijones e boa noitada!

Bar do Kaka – Rua Augusta, 479, Consolação.

Página no Facebook: https://www.facebook.com/bardokaka

Texto produzido por Spinelli Détachez.