Caixa Belas Artes recebe mostra com filmes de Stanley Kubrick.

Dica para os fãs da sétima arte, coisa fina, para quem gosta dos clássicos de um dos maiores cineastas da história do cinema mundial. De 3 a 8 de Abril, o Caixa Belas Artes, na Consolação, recebe a mostra “Stanley Kubrick: o Legado”. Serão exibidos os seis últimos filmes do diretor: “2001 – Uma odisseia no espaço” (1968), “Laranja Mecânica” (1971), “Barry Lyndon” (1975),  “O Iluminado” (1980), “Nascido para Matar” (1987) e “De Olhos Bem Fechados” (1999).

Stanley Kubrick

Stanley Kubrick

Confira a programação completa:

“Laranja Mecânica”
Sexta, 03/04, às 15h10
Sábado, 04/04, às 20h10

“O Iluminado”
Sexta-feira, 03/04, 20h40
Segunda-feira, 06/04, 15h

“Barry Lyndon”
Sábado, 04/04, às 14h30
Terça-feira, 07/04, 20h10

“De Olhos Bem Fechados”
Sábado, 04/04, às 22h50
Quarta-feira, 08/04, às 15h

“Nascidos para Matar”
Domingo, 05/04, 19h40
Terça-feira, 07/04, às 15h30

“2001 – Uma Odisseia no Espaço”
Domingo, 05/04, às 14h30
Quarta-feira, 08/04, às 20h10

Serviço
Temporada: de 3 a 8 de abril
Local: Caixa Belas Artes
Endereço: Rua da Consolação, 2423, Consolação
Capacidade: 295 lugares
Mais informações: (11) 2894-5781

Texto: Fernanda Saraiva
Foto: Google

Rapidinhas – Estreias no Cinema.

Por @Detachez

Amanhã estreiam dois dos filmes mais esperados do inverno brasileiro: Sex Tape – Perdido na Nuvem e Os Mercenários 3.

Sex Tape: o elenco conta com Cameron Diaz e Jason Segel, em uma comédia romântica muito atual, que discute a invasão de privacidade com vídeos íntimos soltos na rede. Vale a pena conferir.

Os Mercenários: um filme que conseguiu reunir um elenco grande, contando com Silvester Stallone, Arnold Schwarzenegger, Jet Li, Jason Stathan, entre outros, em uma história eletrizante que envolve amizade, fúria e muita, muita violência gratuita (risos). Baseada nos dois primeiros, este filme PRO-ME-TE!

SERVIÇOS

Assista diretamente em Cinemark!

Texto: Fernanda Saraiva.
Fotos: Google.

Clube da Cultura – O Cinema Não Está Sozinho.

Por Lucas Silva

E aí pessoal, prontos para mais uma semana? Hoje volto a falar de um filme, para vocês que estão acompanhando a coluna deve estar começando a ficar claro algo que jáéóbvio para aqueles que me conhecem: adoro a cultura nacional, livros, música, teatro, etc., procuro conhecer nossos artistas e sempre que conheço algo novo fica mais evidente para mim como nossa arte é desvalorizada e sem dúvidas uma das mais subestimadas, e só não digo a mais pois o preconceito com a nossa música ainda é gritante (Se você diz que “música nacional não presta” eu só posso dizer que você não conhece a música nacional, e meu amigo, você não sabe o que está perdendo), é o cinema, já cansei de chamar amigos para ver um filme e ouvir um sonoro “Não” -Acompanhado, geralmente, de uma expressão de desdém- à simples menção de ser um filme nacional, felizmente esse é um costume que vem diminuindo e hoje já consigo uma companhia para o cinema. Mas OK, foco né Lucas? Hoje falarei sobre o filme “Hoje eu quero voltar sozinho”(2014).

A menos que você estivesse em coma ou isolado em uma caverna sem qualquer contato com o mundo exterior nesse último semestre, considero meio impossível você não ter ouvido falar uma vez sequer sobre o filme; baseado no curta metragem “Eu não quero voltar sozinho” (2010), sem porém ser uma continuação, mas uma nova narrativa da história, “Hoje eu quero voltar sozinho”, um filme despretensioso, simples em suas maneiras e belo em todas elas é hoje um sucesso da crítica especializada e de público.

Leonardo (Guilherme Lobo) é um adolescente cego, estudante e com apenas uma amiga, Giovanna (Tess Amorim), que acentuado pela superproteção da mãe, o bullying na escola e a necessidade de se provar capaz, só quer aquilo que no fundo todo adolescente deseja: sair de casa e conseguir sua independência, ele começa então a buscar um curso de intercâmbio; as coisas mudam porém com a chegada de um novo aluno na turma, Gabriel (Fábio Audi) em pouco tempo mexe em toda a rotineira vida de Leonardo, os dois se veem cada vez mais próximos – o que acaba despertando o ciúmes de Giovanna e um afastamento do até então inseparável casal de amigos – e logo Léo se vê apaixonado por Gabriel, sem saber porém se seu sentimento é recíproco e estando agora afastado de sua melhor amiga Leonardo percebe-se com cada vez mais dúvidas e sem saber o que pensar ou como agir.

Eu disse que o filme era simples de muitas maneiras, parando para pensar o enredo segue basicamente essa linha, mas DE FORMA ALGUMA o filme se torna banal em algum momento, Daniel Ribeiro produziu um filme sublime em todos os sentidos, e um deles é justamente toda essa simplicidade inerente em todos os âmbitos do mesmo. É sim um romance adolescente sobre descoberta, primeiro amor e primeiro beijo, mas todos já passamos por isso, e ao ver o filme revivemos tudo isso, seja no desenrolar da história ou em sua trilha sonora pontual em todas as sequências, em suma, o que quero passar é: Quando afirmo ser um filme sem precedentes não falo da boca pra fora, “Hoje eu quero voltar sozinho” é no mínimo obrigatório para qualquer um que aprecie um bom filme.

Neste momento você deve estar sentindo falta de alguma coisa não? Afinal eu estou falando de um romance gay, é esperado ter um dilema, um empecilho, algum diferencial nessa história, e a resposta meus caros é o ponto mais especial do filme: Não. Ao longo do filme a “questão gay” é o menor e mais ínfimo “problema” que separa os protagonistas, em momento algum esse é um fator dominante, vemos dois jovens, com dúvidas dos seus sentimentos, e de como agir mas não por serem do mesmo sexo mas pela incerteza juvenil que todos já enfrentamos, e sim, “apenas” isso.

Deixei aqui minha impressão de “Hoje eu quero voltar sozinho” espero ter conseguido passar quão especial ele é e o passo que ele representa para o nosso cinema e para uma nova percepção de um tema infelizmente tão o incompreendido e rodeado de preconceitos.

Se por acaso você ainda não viu, deixo AQUI o curta que deu origem ao filme, garanto que vale a pena.

Até semana que vem e bem-vindo ao clube!

Texto: Lucas Silva.
Foto: Reprodução.

Rapidinhas – Cada louco com sua loucura.

Por @Detachez

Outro dia, interagindo em minha rede social, vi um vídeo muito interessante sobre simetria. Os viciados em cinema e fotografia sabem do que se trata, e para os mais leigos, vamos dar uma breve explicação do que se trata, para não deixar na mão.

Simetria de acordo com o dicionário:

s.f. Correspondência de posição, de forma, de medida em relação a um eixo entre os elementos de um conjunto ou entre dois ou mais conjuntos: simetria arquitetural; quadros dispostos com simetria.
Harmonia resultante de certas combinações e proporções regulares.
Gramática Correspondência regular entre os membros da frase.
Matemática Disposição de duas figuras que se correspondem ponto por ponto de tal sorte que os dois pontos correspondentes de uma e da outra estejam a igual distância de um ponto, de uma reta ou de um plano dado.
Eixo de simetria, reta comum a todos os planos de simetria.

Ou seja, é a forma perfeita de dois lados idênticos. Isso chamou muito minha atenção, porque preciso fazer um trabalho para a faculdade, sobre várias formas de fotografias, incluindo, simetria. Mas o vídeo me chamou atenção pela perfeição da imagem, realmente vale muito a pena conhecer o trabalho de Wes Anderson, americano fissurado em simetria. Anderson iniciou sua carreira há 20 anos, com um curta de 10 minutos chamado Bottle Rocket. Seu trabalho é incrível, e eu quero compartilhar com vocês.

Texto: Fernanda Saraiva.
Vídeo: Vimeo.

Rapidinhas – O Soldado Invernal.

Por @Detachez

Estreia na próxima quarta feita (10) o segundo filme da franquia O Capitão América. O segundo filme é meio que uma continuação de Os Vingadores, pois a trama se passa dois anos depois dos acontecimentos do filme, que também contou com a participação de América.

O elenco conta com a presença de Chris Evans, que semana passada eu assisti um filme incrível com ele, do conceituado diretor sul-coreano Bong Joon-ho, O expresso do amanhã*, Scarlett Johansson e Samuel L. Jackson. Vale a pena conferir!

Capitão América

Capitão América

* O filme O expresso do amanhã é uma bela história narrada dentro de um trem, quando, por causa do aquecimento global, o homem congelou a Terra em uma experiência mal sucedida. Os únicos sobreviventes, desde então, vivem dentro do trem. O elenco conta com estrelas como, além de Chris Evans; Tilda Swinton, conhecida pela franquia As crônicas de Nárnia e o anjo Gabriel em Constantine; John Hurt, mundialmente famoso por um de seus mais conhecidos personagens Alvo Dumbledore e Ed Harris.

Texto: Fernanda Saraiva.
Foto: Google.

 

 

Rapidinhas – Reestreia! – The Hunger Games.

Com muito orgulho, depois de anos trabalhando na ideia de uma possível parceria, finalmente deu certo e apresento a reestreia da coluna “Rapidinhas” sob a direção do Luiz Junior.

Por @lerdopraporra

Existe aquela frase clichê que diz “O livro é bem melhor que o filme…”.

Com Jogos Vorazes é exatamente assim, você nunca teria curiosidade ou até mesmo interesse de ler se fosse levar em consideração a fama ‘’Teen” da saga, o mais interessante é que por trás de tantos hormônios adolescentes a série tem um engajamento político muito forte, o que poucas pessoas sabem, a trilogia não só retrata um reality sangrento, ela retrata a revolta de um povo contra seu governo, te dá a chance de ter um tempo para pensar no que tem sido feito em seu país nos últimos tempos e coragem de abrir a mente para esses assuntos sem que você sinta o peso de ter que discutir sobre.

Os jogos vorazes.

Os jogos vorazes.

Ainda que a produção do filme não faça jus ao que o livro propõe para o leitor, dá pra se ter uma noção de tudo aquilo que sua mente produz durante a leitura, filmes de fato não faz como antigamente com que você viva cada momento do livro, o mundo está muito prático, tudo tem ser embalado ou cozido em três minutos, mas ainda assim vale a pena conferir a série, desde seu Debut com Jogos Vorazes e o recém-nascido Em Chamas.

Texto por: Luiz Junior.

Foto: Reprodução.

Revisão: Spinelli Détachez.