Texto: “Musical: O Homem de La Mancha”

Mayara Moreno

O músical inspirado na obra de Miguel de Cervantes “Dom Quixote” de 1605, que trata-se de um velho fazendeiro que possui o costume de ler romances de cavalheiros, após perder a razão, decide imitar seus herois favoritos e sair por ai a cavalo em companhia de seu amigo Sancho Pança, que via a vida da forma realista, diferente de Dom, os dois embarcam em diversas aventuras, que tristemente sempre são desmentidas pela vida.

Com sucesso, a obra torna-se base para um músical, estreado na Broadway em 1965 tendo o nome de “O Homem de La Mancha”, atingiu o número de 2.329 apresentações sendo vencedor de 5 prêmios.

Em 1972 chega ao Brasil a adaptação do músical, sendo apresentada no Teatro Municipal de Santo André e dirigida por Flávio Rangel tendo participação, também, na produção do texto junto a Paulo Pontes. Quanto a parte músical, que foi adaptada para o português, Chico Buarque de Holanda e Ruy Guerra assinaram as versões. A baixo tem a “The Impossible Dream”, classico da Broadway interpretada por Chico Buarque e Bethania em português.

Em 2014 o teatro do Centro Cultural FIESP, na Av. Paulista, recebeu uma nova adaptação do músical, dirigida por Miguel Falabella. Com inspiração do artista Arthur Bispo do Rosário, Miguel transforma a peça, ambientando-a num manicômio brasileiro no final dos anos 30. O músical já foi visto por mais de 100 mil pessoas em pouco mais de 200 apresentações.

O artista sergipano Arthur Bispo do Rosário, falecido em 1989, marinheiro, diagnosticado com esquisofrênia-paranoica, viveu 50 anos de sua vida internado no sanatório para doentes mentais Colônia Juliano Moreira no Rio de Janeiro, onde se encontra um museu em sua homenagem chamado Museu de Arte Contemporânea Arthur Bispo do Rosário. Durante todos seus anos no local, Arthur acreditou que sua missão de vida era apresentar a Deus o mundo e suas coisas, incentivando-o assim a produzir bordados contendo imagens e escritas, mumificou objetos com linha azul descolorida, construiu paineis de seriação de objetos do cotidiano em composições abstratas. Infelizmente seu talento artístico foi reconhecido poucos anos antes de sua morte, porém hoje museus do mundo inteiro já exibiram suas artes, incluido o Brasil que com frequência tem exposições.

Foto: www1.folha.uol.com.br

Foto: www1.folha.uol.com.br

Aqui vai algumas informaçoes importantes:

Local: Teatro do Sesi. Av. Paulista, 1313 – Bela Vista, São Paulo – SP.
Temporada: 14 de janeiro a 28 de junho de 2015 Horarios: Quarta a sexta, às 21h | Sábados, às 17h e às 21h | Domingos, às 19h.
Classificação indicativa: 10 anos Ingressos: gratuitos para a temporada de 2015 reservados online acesse AQUI a partir do dia 10 de janeiro.

– apresentações entre dias 1º e 15 do mês, reservas on-line liberadas dia 25 do mês anterior – a partir das 8h. – apresentações entre dias 16 e 31 do mês, reservas on-line liberadas dia 10 do mesmo mês – a partir das 8h.

Ingressos remanescentes são distribuídos nos dias das apresentações, a partir do horário de abertura da bilheteria (de quarta a sábado, das 13h às 21h; e aos domingos, das 11h às 19h30)

Para mais informações, acesse AQUI.

Anúncios

Arte Em Sampa – Feliz Aniversário, Meu Amor

Por @Detachez

Nesta data gostaria de homenagear a linda e maravilhosa, boba e glamourosa, cidade de São Paulo. Eu simplesmente te amo! Feliz 460 anos de muito amor e muita garoa, muitas meninas lindas, muita luz nas ruas, muita cultura, muita paz e um grito de socorro ao dizer que São Paulo Não Quer Ser Cinza.

Ponte Estaiada.

Ponte Estaiada.

Vista de cima do Edifício Copan.

Vista de cima do Edifício Copan.

Av. Paulista.

Av. Paulista.

São Paulo Aérea.

São Paulo Aérea.

 

Texto: Fernanda Saraiva {Spinelli Détachez}
Fotos: Pesquisa Google – Cidade de São Paulo.

Sp Urban!

Exposição digital trás cores as noites da Paulista.

SP Urban

SP Urban

A 2ª edição do SP Urban traz o tema “Cidadão Digital”. O projeto visa, através de obras interativas, a exploração do público ao mundo digital por cores e tecnologia. A exposição conta com nove obras sendo oito delas apresentadas no prédio da FIESP/SESI-SP como tela para o publico “brincar”.

A única atração que não é transmitida através do prédio da FIESP é o “Sonic Skate”, sendo essa também a obra que mais atrai visitantes, curiosos, e jovens skatistas, no qual é composta por um pequeno circuito de street skate, tendo a pista inclinada de estrutura de madeira, um corrimão, rampa e half.

“A exposição com a pista se torna uma opção a mais para andar de skate na Paulista, e melhor ainda por preservar o skate devido ao material que é feita.”, declara Dauton, 26 anos, skatista que acaba de voltar a praticar o esporte.

A ideia principal da obra é montar uma “orquestra skate” onde cada manobra é sonorizada e tem os movimentos captados e transmitidos por imagens coloridas e geométricas, e o skatista é marcado por um quadrado amarelo. Cada parte da pista transmite um som e uma cor diferente na tela que projeta tudo em in loco nas telas. “A ideia é original. É diferente andar e ouvir o som dos rodas do skate na pista, e a iluminação colorida”, diz Dauton.

SP Urban

SP Urban

Para andar na “Sonic Skate” é preciso ter mais de 18 anos, pois deve-se assinar um termo de responsabilidade contendo nome, RG e telefone. Caso o interessado em interagir com a obra seja menor de idade, o responsável deve estar presente para a autorização.

O festival digital terá duração do dia 4 a 28 de novembro. As obras são expostas todos os dias sendo as interativas das 20h as 22h, e as não interativas das 22h as 6h.

Para mais informações e verificação da programação e outras obras: http://spurban.com.br/

Texto produzido por Mayara Moreno. Fotos por Ricardo Alencar. Revisão por Spinelli Détachez.