Terra da Garoa – Parklets.

Por @Detachez

Você sabe o que é um “Parklet”? Não? Pois bem, esta é uma iniciativa da prefeitura de São Paulo, para aproveitar um espaço na calçada das ruas, dando uma opção para que os pedrestes utilizem a área de forma inteligente. Os espaços ocupam espaços de automóveis e são destinados ao lazer, porém são espaços ainda temporários.

Vale a pena sentar para ler um livrinho, ou descansar. A ideia visa beneficiar mais as pessoas, pois de acordo com estudos, um ‘parklet’ beneficia mais de 300 pessoas por dia, o que é um número muito mais considerável que uma vaga de estacionamento.

Os pedestres agradecem senhor Haddad!

Haddad em 'parklet'.

Haddad em ‘parklet’.

Para mais informações acessem: http://www.capital.sp.gov.br/portal/noticia/2161#ad-image-0

Texto: Fernanda Saraiva.
Foto: Site da Prefeitura de São Paulo.

Ressaca – Mairiporã!

Por @Detachez

Como todos sabem, sou apaixonada pela arte de rua e o grafite é uma forma de expressar muito bem como os artistas desejam representar suas ideias, com muitas cores e desenhos únicos, que infelizmente muitas vezes são cobertos pelo cinza da prefeitura.

A menina por Mago

A menina por Mago

Portanto, andando pelas ruas de São Paulo, nem tanto assim São Paulo centro, mas ainda assim estado de São Paulo, achei um paredão com lindas imagens, e desta vez muito bem assinadas. Imagens que a gente se pergunta o significado, e acaba entrando dentro da nossa mente.

A ideia do grafite é tirar as tags e pixações das ruas, o que acaba dando uma visão mais limpa e colorida da cidade. Então, espero que em cada lugar da cidade tenha um muro como o que eu vi e que isso traga um pouco de cor à cidade que não quer ser cinza.

Ame-me

Ame-me

Texto e fotos: Fernanda Saraiva.

Ônibus.

Olá leitores.

Deixo a coluna de música de lado para falar um pouco de um assunto importante de nossa amada São Paulo: O preço da passagem de ônibus. Aquele mesmo, da série de protestos.

Um estudo feito pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e apresentado ao prefeito Fernando Haddad mostrou que há uma maneira de subsidiar os investimentos no transporte público, mas isso teria um custo um tanto quanto salgado para quem não utiliza o transporte público: A gasolina teria um aumento de 0,50 por litro.

A questão é: Vale a pena deixar o carro em casa para andar de busão?

Ônibus.

Ônibus.

Tenho pra mim que o ideal era minimizar o uso do carro, onde em média 3 pessoas são transportadas, e priorizar o uso do transporte coletivo. No horário de pico, um ônibus em São Paulo consegue facilmente ter umas 70,80 pessoas.

A prefeitura tenta colaborar, instalando corredores exclusivos para os ônibus (“instalar” é meramente força de expressão. Simplesmente foi a conversão da faixa da direita em exclusiva para coletivos em determinado horário). Mas isso acaba causando ainda mais congestionamento nessas vias.

O ideal seria o uso do ônibus, mas além dos corredores, que benefícios temos? Ônibus extremamente cheios e sujos?

Temos que ter incentivos para usar o transporte coletivo, e não me refiro apenas à tarifa. Qual benefício traz pegar o ônibus às 7h, extremamente lotado, com motoristas sem o menor bom-senso?

Lotação.

Lotação.

Se a prefeitura acha que diminuir o valor da tarifa do ônibus, e aplicá-lo na gasolina vai trazer benefícios em longo prazo, talvez perceba que este pode ser um pensamento errado.

Resta a nós, cidadãos, ficarmos de olho no que isso pode causar. E se percebermos algo errado, vamos à rua novamente.

@BrunoRodri_

Edição e fotos por Spinelli Détachez.