Coluna De Música – Guns ‘N Roses

Por @ellenDetachez

Ola pessoinhas. A matéria dessa semana é com o Guns’n Roses. Banda formada em 1985, em Los Angeles, Califórnia. Sua formação original dispensaria apresentações. Afinal, estamos falando de Axl e Slash. Hoje em dia conta apenas com dois integrantes da formação original: Axl e Dizzy. E estão com shows marcados no Brasil para o mês de Março. A última passada pelo país foi catastrófica. Com direito a brigas e atrasos no do maior evento nacional, o Rock in Rio. Com pedidos de de desculpas “formalizado”, estão de volta e garante um grande evento com sua “SOUTH AMERICAN TOUR 2014”.

Tour Guns 2014

Tour Guns 2014

O show em questão esta com data para passar na cidade da garoa em 28/ março. Os preços estão exorbitantes, como já esperado. A Arena foi divida em duas áreas: Pista e “Paradise City” (área mais próxima do palco).

Pista Guns

Pista Guns

Onde será o Show? Arena Anhembi Endereço: Avenida Olavo Fontoura, 1209 – Santana. CEP: 02012-021

Quanto? Paradise City: INTEIRA – R$ 580,00
Pista: INTEIRA – R$ 270,00
Onde comprar?
http://www.ingressorapido.com.br/GunsNRoses/Evento.aspx?ID=31972

Texto: Ellen Fialho.
Revisão: Fernanda Saraiva.
Fotos: Google.

Ressaca – Galeria do Rock 50 Anos!

Por @Detachez

Amores, tudo bem com vocês? Hoje na minha coluna, vou falar sobre um dos lugares mais visitados da cidade de São Paulo, a Galeria do Rock. Outro dia, saindo do trabalho com meu namorado, fui jantar num self service na República, e acabamos descendo na estação São Bento (linha azul do metrô) e passamos pela parte dos fundos da Galeria. Vi um pisca-pisca imenso enfeitando a saída e adivinhem? Este ano os rockeiros e afins (risos) estão comemorando 50 anos de Galeria do Rock.

No site da Galeria do Rock, eles expressam que tipo de lugar podemos encontrar, com 450 lojas, de todos os estilos, afinal o rock não é só aquilo que curtimos, os organizadores investem em um conceito formado por três vertentes: Arte, Música e Atitude. E lá, encontra-se todo o tipo de acessório, camisetas de bandas, discos de vinil, CDs e DVDs, o que serve como exemplo também, os tipos de tribos, lá tem todas.

Galeria do Rock - Porta dos Fundos.

Galeria do Rock – Porta dos Fundos.

O prédio construído em 1963 inicialmente era uma galeria com algumas lojas e salões de beleza, e em 1970 vieram as lojas de discos. Também é possível encontrar itens do Hip Hop no subsolo e ainda salões de beleza, lojas de serigrafia, estúdios de tatuagens, uma loja vegan (com lanches e tudo o mais) e até mesmo oculistas.

O projeto do edifício foi feito pelo arquiteto Alfredo Mathias, que se inspirou em outro prédio próximo, o Copan, fazendo da Galeria uma estrutura ondulada e diferente.

Sendo assim, a Galeria do Rock ainda é um ponto de encontro para muitas tribos da cidade de São Paulo, com muitas lojas, muita coisa boa, álbuns raros, e tudo o mais que um centro inteiro pode oferecer aos fãs do velho e bom Rock N’ Roll.Endereço: Avenida São João, 439 – Republica, São Paulo – SP, 01035-000. Telefone (11) 3223-8402.

 

Texto produzido e revisado por Spinelli Détachez.Foto: Spinelli Détachez.

Uma entrevista com Dijjy Rodriguez.

Por @CeloHate

Para quem não sabe, Dijjy Rodriguez é ex integrante da banda catarinense Ponto Nulo No Céu. Dijjy tirou um tempinho para responder as perguntas do Marcelo Felix. Vamos então aguçar a curiosidade sobre o que vai vir após o hiato da banda.

Dijjy Rodriguez

Dijjy Rodriguez

São Paulo Não Quer Ser Cinza: De onde surgiu a ideia de montar a banda, tocando um estilo diferente do que geralmente vemos na cena under?

Dijjy: A ideia sempre foi fazer o nosso som. Algo novo, cantando em português e que pudéssemos espalhar a mensagem. O diferencial veio naturalmente, pois as composições são um apanhado de tudo que gostávamos. Uma mistura homogênea.

#SPNQSC: O cenário que hoje o Brasil vive tanto política quanto socialmente ajudaram a compor as letras para as músicas?

Dijjy: Na verdade, as letras são compostas a partir de um conjunto de fatores. A insatisfação político-social é um deles. Cada música diz algo diferente, sempre dentro de um contexto que era a Ponto Nulo no Céu. Então é uma coisa bem ampla que pode se ter várias interpretações distintas. Cada um vê com seus próprios olhos e entende com sua própria subjetividade.

#SPNQSC: Sem dúvida vocês foram uma das maiores forças do cenário Underground, você acha que a PNNC ajudou a inspirar muitas bandas a começarem a investir mais em musicas próprias e fortalecer mais o cenário? Qual foi a reação de vocês ao ver aquele enorme retorno dos fãs?

Dijjy: Com certeza. Inclusive, várias pessoas que hoje têm bandas dizem isso. Acredito que não só a Ponto Nulo no Céu, mas sim toda a União Underground fez com que as pessoas acreditassem novamente que dá pra fazer acontecer. A cena ganhou um novo ar e hoje se mantém sozinha. Muitas bandas boas surgindo e tende a melhorar ainda mais. Quando um sobe, leva todos os outros nomes juntos.
Isso foi um dos maiores motivos de ter durado até onde durou. Se chama satisfação pessoal. Quem nos acompanhou teve uma participação importantíssima dentro do que aconteceu.

#SPNQSC: Esperavam que fossem tão longe? Isso que os manteve fortes? Além da distância, qual era as maiores dificuldades que encontradas no caminho para fazer shows em São Paulo?

Dijjy: Não esperávamos, porém acreditávamos. O combustível era a vontade de levar adiante nossa mensagem e de continuar fazendo música.
São Paulo era longe, mas era muito legal! A viagem era extenuante, mas a satisfação de ver e ouvir as pessoas cantando nossas músicas era demais! Geralmente a estrutura das casas e do som era ruim, mas o resultado era muito satisfatório! A única coisa que não falta é dificuldade dentro desta cena.

#SPNQSC: Já sonhou em ter tocado ao lado de alguma banda que te inspirava ou em algum lugar em especial?

Dijjy: Não sei se há alguém em especial. Talvez em um festival de grande porte pra ver qual é a sensação de tocar pra muitas milhares de pessoas.

Ponto Nulo No Céu.#SPNQSC: Qual foi a maior experiências que você teve com a PNNC?

Dijjy: Os shows!

#SPNQSC: Em uma entrevista para o Guitar Talks, você disse que a ideia foi de a banda entrar em hiato, mas não acabar com a música. Após o término da PNNC você planeja fazer algum outro projeto?

Dijjy: Já estou dentro de um novo projeto. Em breve todos poderão saber mais detalhes.

#SPNQSC: No texto de “despedida” no Facebook, disseram que cada um que saiu foi seguir seu caminho, deixando claro que não houveram brigas ou coisas do tipo. Porque depois de cinco anos juntos, com tantos frutos e tantos louros, os integrantes decidiram seguir outros projetos pessoais?

Dijjy: Cada um teve seu motivo. Cada um é dono da sua estrada. A hora certa de fechar o ciclo veio e assim aconteceu. O que foi feito está feito e ficou na história.

#SPNQSC: Bom eu como um grande fã da banda Ponto Nulo No Céu fiquei muito triste ao receber a noticia do término da banda, sempre me inspirei muito nas mensagens que vocês passam através das músicas, tanto em questões políticas como em lições para poder seguir forte e sem medo na vida. Sem dúvida eu e todos os fãs sentiremos muita falta dos shows, tudo está guardado nas lembranças. A Ponto Nulo No Céu sem dúvida deixou sua marca na música brasileira. Obrigado à Ponto Nulo No Céu. Por favor deixem um recado aos leitores e fãs.

Dijjy: Gratidão aos que estão do meu lado. Minha missão ainda não chegou ao fim, sendo assim, vou continuar fazendo o que mais amo nesta vida. “Do subsolo viemos, de pé sempre estaremos prontos pra lutar!”  Continuem unidos!

Dijjy no palco.

Dijjy no palco.

Entrevista feita por Marcelo Felix. Introdução por Spinelli Détachez.

Fotos retiradas da página pessoal de Dijjy no Facebook: [ http://www.facebook.com/DijjyRodriguez?fref=ts ]

Um post especial na Coluna de Música.

Por @BrunoRodri_

#TELEMA

Banda Telema.

Banda Telema.

Olá amigos. Como todos sabem, passo por momentos decisivos na faculdade e no trabalho, e estou de “licença” do blog. Mas esse texto, já havia prometido há muito tempo para a Fernanda.

Já havia falado aqui, que gosto muito de descobrir bandas novas. E descobri a Telema (leia-se Télema), através de um amigo, que é… BATERISTA DA BANDA.

Não costumo ser o tipo de pessoa que faz texto, indica, ouve a banda do amigo se eu não achar realmente boa. Mas a Telema é. Uma banda de muita qualidade de som, com letras sem aqueles famosos clichês.

A banda é formada por: Cauê Alvarenga (Guitarra e voz), Renan Cardoso (Baixo e voz), Filipe Ramos, o Filé (Guitarra) e Vitor Freitas, o Vits (Bateria). Eles possuem no momento, apenas um EP, chamado No Sapato, que conta com quatro músicas.

Eu troquei uma ideia com o meu amigo (e baixista da banda), Renan Cardoso e com o não menos amigo (e baterista) Vits. Abaixo, tudo o que você precisa saber (e ouvir) sobre a Telema.

SPNQSC: Renan, como vocês se conheceram?

Renan: Filé e eu já tocamos juntos desde 2007, mas nunca foi algo sério. Ai em 2011, por amigos em comum a gente conheceu o Cauê, e eu já conhecia o Vits há uns dois anos e chamei-o pra tocar. Ele topou e começamos a tocar juntos.

SPNQSC: Qual é a proposta de som da Telema?

 

Renan: A proposta musical é misturar todos os elementos que influenciam a gente e dessa maneira sempre acaba soando igual “a gente”. Não dá para rotular, e não tem um sentido tipo “é psicodélico” ou “é rock”. A gente se define como uma banda de rock, e nada além disso, mas se fosse parar pra pensar acho que somos “música para ouvidos que se interessem” e nesse caso, ai sim, “nada além disso”.

SPNQSC: Quais são as inspirações musicais de vocês?

Renan: A gente se inspira muito em tudo que a gente tá ouvindo de novo, e de velho. Eu ainda carrego monstruosamente minha influência em Smiths, que é uma banda “de sempre” pra mim. Também tem o CircaSurvive, que é uma banda que tô ouvindo a poucos meses. Há outras coisas também, por exemplo, o Cauê que curte umas coisas mais brasileiras como Sá e Guarabyra e Mutantes, mas também traz uma influência gigante de Pink Floyd e Tame Impala. O Filé sempre teve um traço de umas bandas japonesas (que eu também tenho) e muito post-hardcore como At the Drive-in.  Já o Vits traz bastante das influências “sujas” dele (hahaha). Existiu um tempo em que ele e eu éramos fissurados em Smashing Pumpkins e depois disso no “A Fever You Can’t Sweat Out” do Panic! At the Disco, e logo depois disso no “Under the Cork Tree” do FOB. Enfim, é bem difícil formular de onde vem nossa inspiração, mas vem de tudo mesmo, nenhum de nós tem medo de ouvir nada ou preconceito com alguma coisa, nossos ouvidos estão abertos sempre.

SPNQSC: Sobre o quê exatamente a Telema fala nas letras?

Renan: Sobre letras, todos escrevem. Da mesma forma, todos opinam na letra do outro, e a letra acaba sendo de todos. Eu tenho muito esse bloqueio de só colocar nas minhas letras coisas que eu vivo, eu não consigo muito sair dos limites da minha vida pra escrever algo surreal, da mesma maneira que o Vits tem um pouco disso, já o Filé e o Cauê tem uma imaginação incrível pra temas de letras e assuntos a serem discutidos, acaba que tudo casa dessa maneira. Os temas são variados, pode ir de política à algum livro que nos inspirou, a escrita é livre.

SPNQSC: De onde vem o nome Telema?

Vits: Telema vem de Thelema, que é uma filosofia, baseada numas leis. É meio brisa, hahaha.

SPNQSC: Para finalizar, Vits. O que dizer aos nossos leitores?

Vits: Forte abraço, e muito flow a todos.

Da esquerda para a direita: Vitor, Cauê, Renan e Filipe.

Da esquerda para a direita: Vitor, Cauê, Renan e Filipe.

Saiu hoje (02/10) uma nota no famoso site Zona Punk, que fala sobre a Telema lançar duas músicas extras do EP. Você pode conferir aqui.

Para ouvir e acompanhar a Telema:

– SoundCloud: https://soundcloud.com/bandatelema

– Facebook: http://www.facebook.com/bandatelema

– Tumblr: http://bandatelema.tumblr.com/

MUITO FLOW.

 

Edição por Spinelli Détachez. Fotos enviadas por Bruno Rodrigues.

Rock In Rio (RIR)

Por @mich__reis

RIR

RIR

No meu primeiro post falaremos sobre o maior festival que rola em terras brasileiras.

Na edição 2013 do ROCK IN RIO ou diria POP IN RIO, teremos um emaranhado de bandas e artistas que estão sempre nas paradas, alguns conhecidos para o grande público brasileiro, vide Beyonce e Justin Timberlake, outros para um nicho específico de fãs como Iron Maiden, Metallica e Muse.

Mais uma vez com valores de ingresso acima de outros tantos festivais europeus e americanos. Apesar disso, segundo a produção do festival todos os ingressos para todos os dias de shows já se esgotaram.  Inteligentemente o festival fora dividido em 2 finais de semanas para garantir tanto o SOLD OUT de ingressos como para garantir a transmissão de parte do festival em TV aberta pela REDE GLOBO.  O festival contará mais uma vez com 2 palcos principais, tendas eletrônicas e uma espécie de palco chamado Rock Street que contará com espetáculos como nada menos que o conceituado ALL YOU NEED IS LOVE.

RIR

RIR

O segundo dia de Rock In Rio terá três grandes destaques.

30 Seconds to Mars.

30 Seconds to Mars.

A banda americana 30 Seconds to Mars, liderada por Jared Leto tocará às 20h30.

Florence and The Machine.

Florence and The Machine.

Outra atração de destaque será Florence and The Machine que se apresentarão às 22h10.

Muse

Muse

Grande destaque do segundo dia de festival, a banda britânica Muse se apresenta às 00h05.

Principais atrações e horários:

Dia 1 – 13/09/2013

Beyonce

Beyoncé

Beyoncé, uma das divas POP mundiais será a atração principal deste primeiro dia, ela tocará as 00h05.

David Guetta.

David Guetta.

A outra atração de destaque do primeiro dia de festival será o DJ, David Guetta, com apresentação marcada para as 22h10.

No palco Sunset o destaque fica por conta da apresentação do Living Colour acompanhada pela belíssima cantora Angélique Kidjo.

Dia 2 – 14/09/2013

Destaques do palco Sunset: a banda Offspring e a apresentação de Mark Ramone e Michael Graves.

Dia 3 – 15/09

Dois grandes destaques no ultimo dia da primeira semana do Rock In Rio.

Alicia Keys

Alicia Keys

A apresentação da cantora americana Alicia Keys será as 22h10.

Justin Timberlake.

Justin Timberlake.

O grande destaque da noite de Domingo do Rock In Rio será o cantor Justin Timberlake.

Destaque no palco Sunset: Nando Reis e Samuel Rosa tocando juntos.

Como vocês já sabem, é tradição o SPNQSC resumir a agenda de shows do final de semana, destacando os principais shows que rolam por aí.

AGENDA

14/09 – A Banda mais bonita da cidade no SESC OSASCO às 20h

Ingressos a partir de R$ 4 reais.

Endereço: Avenida Sport Club Corinthians Paulista, 1300.

14/09 – Colera + Gritando HC + Deserdados no Hangar 110 às 19h

Ingressos custam R$ 25 dinheiros.

Endereço: Rua Rodolfo Miranda, 110 – Bom Retiro  (11) 3229-7442.

15/09 – Offspring + Rancore às 20h no Credicard Hall às 20h

Ingressos custam entre R$ 90 e R$ 500

Endereço: Credicard Hall – Avenida das Nações Unidas, 17.955 – Santo Amaro.

Texto por Michel dos Reis. Edição por Spinelli Détachez.

 

Logo menos.

Logo menos.

Logo menos Coluna de Música

Logo menos Coluna de Música